Jan 082015
 
O cérebro enganado e as emoções proibidas.
 
Os factos:
1.  O desenvolvimento do cérebro humano está dependente.  O cérebro desenvolve a sua estrutura nos primeiros quatro anos de vida, dependendo das experiências que o ambiente oferece à criança.  O cérebro de uma criança que tenha na maior parte experiências amorosas tornar-se-á diferente do cérebro de uma criança que seja tratada cruelmente.
2.  Quase todas as crianças do nosso planeta são espancadas nos primeiros anos de suas vidas.  Elas aprendem violência desde o começo, e esta lição é ligada nos seus cérebros em desenvolvimento.  Nenhuma criança nasce violenta.  A violência NÃO é genética, ela existe porque é costume bater nas crianças, e depois usam a violência nas suas vidas adultas, a lição que seus cérebros aprendeu.
3.  Às crianças espancadas não é permitido defenderem-se, têm que reprimir a sua raiva contra os seus pais que os humilharam, eles mataram sua inata empatia, e insultaram a sua dignidade.  Dirigirão esta raiva mais tarde, em adultos, a bodes expiatórios, na maior parte ás suas próprias crianças.  Destituídos de empatia, alguns deles dirigirão sua raiva a si próprios (em desordens alimentares, na toxicodependência, depressão etc.), ou dirigidas a outros adultos (nas guerras, no terrorismo, na delinquência etc.)
Perguntas e respostas:
P:  Os pais batem em suas crianças sem pensar duas vezes, para torná-las obedientes. Ninguém, excepto uma minoria muito pequena, protesta contra este perigoso hábito.  Por que é que esta sequência lógica (de ser uma vítima enganada a se transformar em um abusador enganador) é totalmente ignorada no mundo inteiro?  Por que é que mesmo os Papas, responsáveis pelo comportamento moral de muitos milhões de crentes, até aqui nunca os informou que bater em crianças é um crime?
R:  Porque quase TODOS nós fomos espancados, e tivemos que aprender muito cedo que estes actos cruéis eram normais, inofensivos, e até mesmo bons para nós. Nunca ninguém nos disse que eram crimes contra a humanidade.  Um erro, imoral, e lição absurda que foi ligada em nossos cérebros em desenvolvimento, e isto explica a cegueira emocional que governa nosso mundo.
P:  Nós podemos libertar-nos da cegueira emocional que desenvolvemos na infância?
R:  Nós podemos – pelo menos até certo grau – libertarmo-nos desta cegueira se formos capazes de sentir nossas emoções reprimidas, incluindo os nossos medos e raiva proibida contra nossos pais que nos amedrontavam frequentemente até de morte durante muitos anos, que deveriam ter sido os anos mais bonitos de nossas vidas.  Nós não podemos recuperar esses anos.  Mas graças a enfrentar a nossa verdade nós podemos transformar as crianças que ainda vivem em nós repletas de medo e de negação em responsáveis e bem informados adultos que recuperam sua empatia, roubada tão cedo de nós.  Tornamo-nos em pessoas capazes de sentir e não podemos continuar a negar que bater em crianças é um acto criminal que deve ser proibido em todo o planeta.
Conclusão:  Importarmo-nos com as necessidades emocionais de nossas crianças significa mais do que dar-lhes uma infância feliz.  Significa permitir que os cérebros dos futuros adultos funcione de uma maneira livre, saudável, racional e livre da perversão e da loucura.  Ser forçado a aprender na infância que bater em crianças é uma bênção para elas é a lição mais absurda, confusa, com consequências muito perigosas:  Esta lição, junto com o corte das emoções verdadeiras, cria as raizes da violência.
 Posted by at 8:34

Sorry, the comment form is closed at this time.